A Sociedade

  • Quem Somos

    A Sociedade de Mastologia congrega médicos que tem interesse comum na especialidade e visa agregar benefícios tais como reconhecimento da categoria, valorização da especialidade, trabalho junto as comissões nacionais para honorários médicos, atualização científica e confecção de protocolos, realização de eventos, promoção de cursos preparatórios para a prova do TEM,  intermediação da especialidade com a população e, mais recentemente, a realização do site da regional de Minas Gerais para oferecer estes recursos por meio da internet. Os médicos especialistas que participam desta sociedade podem e devem participar de todas as atividades desenvolvidas com o intuito que promover o crescimento da entidade e a valorização do especialista.

  • Histórico

    A história da Sociedade Brasileira de Mastologia – Regional Minas Gerais está relacionada ao esforço de um grupo de médicos que, na década de 60, queriam se dedicar exclusivamente ao tratamento curativo e preventivo das patologias mamárias. Eles indignavam-se com o fato das pacientes portadoras de câncer de mama procurarem assistência médica num estágio avançado da doença, quando a cirurgia, não raro, era apenas para alívio e muitas já apresentavam úlceras que as segregavam do convívio social devido ao mau cheiro.

    Sem a existência da especialidade clínica como é hoje, o tratamento cirúrgico das patologias mamárias geralmente era feito por ginecologistas e cirurgiões gerais. Segundo o mastologista Valdir José da Costa, na década de 60 os médicos Caetano Cançado, Paulo Adelmo Lodi e Rogério Meireles realizavam cirurgias oncológicas de mama no Hospital Borges da Costa, em Belo Horizonte. Na década seguinte, ampliaram-se os números de ambulatórios de mastologia na capital mineira com o início do funcionamento das unidades da Faculdade de Medicina da UFMG, onde atuavam os médicos Paulo Adelmo Lodi, Valdir José da Costa e Conceição Nogueira; da Faculdade de Ciências Médicas, com Indelécio Chaves Gonçalves, e da Santa Casa, com Fernando Horta Sales Rodrigues e João Augusto Amaral.

    Embora aumentasse o número de unidades de tratamento médico cirúrgico das patologias mamárias, havia naquela época carência de livros e tratados de mastologia. Os médicos Valdir José da Costa, Wilson Batista, Oscar Perez A. Costa, José Carlos Campos Cristo, Alencar Peixoto Júnior, entre outros, realizavam reuniões clínicas uma vez por semana, cada semana no consultório de um deles, para discutir os casos e trocar experiências.

    Em 1972, este grupo criou o Clube da Mama, em Belo Horizonte, entidade que se transformou em 17 de janeiro de 1975 em Capítulo da Sociedade Brasileira de Mastologia e, na década de 80, na Regional de Minas Gerais da SBM, tendo como seu primeiro Presidente o Dr. Wilson Batista.

    Em 1976, Valdir José da Costa conseguiu implantar o primeiro Serviço de Mastologia do Inamps (o Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social, extinto pela Lei Federal 8689/1993 tendo sido a assistência médica transferida para o SUS) em Minas Gerais. Ele funcionava no ambulatório da Cidade Industrial, em Contagem. Hoje Valdir da Costa lembra, até com uma ponta de humor, das dificuldades enfrentadas para clinicar na especialidade. Como médico ginecologista do Inamps, a coordenação do ambulatório concedeu-lhe apenas um dia para atender as pacientes da mastologia, período que foi ampliado gradativamente na medida em que aumentava a demanda. Por outro lado, havia limite de exames. “Muitas vezes a gente pedia um exame de mamografia, eles faziam de uma mama para economizar material e o médico ficava sem a imagem da outra mama para comparar”, lembra.

    No mesmo ano, foi implantado o segundo Serviço de Mastologia do Inamps em Minas, na unidade Campos Sales, tendo à frente o mastologista Alencar Peixoto Júnior. Posteriormente, no final da década de 80, entrou em funcionamento o Serviço de Mastologia da Maternidade Odete Valadares, cujo coordenador era Tadeu Provenza.

    O reconhecimento da mastologia como especialidade clínica pela Associação Médica Brasileira só aconteceu muitos anos mais tarde, após muita luta, no final da década de 90.

    Valdir José da Costa explica que a especialidade é multidisciplinar, pois para tratar da mama é necessário o trabalho em equipe. Portanto, há especialistas em mastologia que são médicos ginecologistas, cirurgiões gerais, cirurgiões plásticos, radiologistas, patologistas, enfermeiros, psicólogos, entre outros profissionais que se dedicam ao tratamento preventivo e curativo das patologias mamárias.

    Presidentes da Regional Minas Gerais da Sociedade Brasileira de Mastologia:

    1975 – 1978 – Dr. Wilson Batista

    1978 – 1982 – Dr. Valdir José da Costa

    1982 – 1986 – Dr. José Carlos Campos Christo Filho

    1986 – 1987 – Dr. Alencar Peixoto Júnior

    1987 – 1989 – Dr. Wilson Batista

    1989 – 1992 – Dr. Henrique Morais Salvador Silva

    1992 – 1995 – Dr. João Augusto Pereira do Amaral

    1995 – 1998 – Dr. Indelécio Garcia Chaves

    1998 – 2001 – Dr. Jairo Luis Coelho Júnior

    2001 – 2004 – Dr. Gabriel de Almeida Silva Júnior

    2005 – 2007 – Dr. José Tadeu Campos de Avelar

    2007 – 2010 – Dr. Regis Leite L’Abbate

  • Estatuto

  • Diretoria

Diretoria da Capitulo de Belo Horizonte da Sociedade Brasileira de Mastologia –Triênio 2017/2019

Presidente: Waldeir José de Almeida Junior

Vice-Presidente: Annamaria Massahud Rodrigues dos Santos

Primeiro Secretário: Douglas de Miranda Pires

Segundo Secretário: Paula Cristina Martins Soares

Primeiro Tesoureiro: Thaís Paiva Moraes

Segundo Tesoureiro: Bárbara Pace Silva de Assis Carvalho

Sistemas de Informação e Comunicação Digital - Plusinfo